maio 19, 2020

Dependente de venda presencial e anti-governo, Riachuelo despenca na Bolsa

by bluemetrix in Notícias

Ações valem menos do que R$ 10 e ativos despencam 58,9% em 2020. O balanço sai na próxima semana.

As ações da Riachuelo –varejista de roupas e acessórios– caíram 58,9% em 2020 no Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo). Desalinhada com o governo de Jair Bolsonaro e dependente da venda presencial, foi a que mais desvalorizou entre as empresas similares de varejo.

A companhia é controlada pela família Kanner, que tem sido crítica ao governo e à política do ministro Paulo Guedes (Economia). Parte dos operadores do mercado financeiro lê esse engajamento como algo que pode ser ruim para a rede de lojas depois que passar a pandemia de covid-19, doença provocada pelo coronavírus.

Gabriel Kanner é presidente do Instituto Brasil 200, grupo que reúne centenas de empresários em todo o país. Ele anunciou em 24 de abril deste ano que deixou de apoiar o governo Bolsonaro. O rompimento anunciado foi uma reação à demissão do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, efetivada na manhã do mesmo dia.

Flávio Rocha, presidente do Conselho de Administração do Grupo Guararapes Confecções –que controla a Riachuelo– e um dos fundadores do Instituto Brasil 200 deixou o grupo posteriormente depois de críticas a Bolsonaro.

Rocha disse ao Poder360 que as opinões políticas dele ou do grupo em nada interferem nos ativos da Riachuelo. Segundo ele, a empresa não tem absolutamente nenhuma posição política e é de capital aberto, com acionistas e visões de mercado. Ele disse que não tem mais participações societárias da empresa.

Também justificou que a queda nas ações está atrelada à queda do setor têxtil, assim como outras companhias que estão no Ibovespa.

Além de Rocha, saíram do Instituto Brasil 200 os empresários Edgard Corona (Bio Ritmo), João Appolinário (Polishop), Sebastião Bomfim (Centauro), Washington Cinel (Gocil), Alberto Saraiva (Habib’s) e Luciano Hang (Havan).

 

Ações caem até 60%

Enquanto que as ações da Riachuelo recuaram quase 60% no ano, os ativos da Renner, uma de suas concorrentes, caíram 43,3%. Os papeis da Magazine Luiza tiveram valorização de 15%.

Desde a saída de Moro do ministério da Justiça, a cotação das ações da Riachuelo diminuíram 25,5%. Da Renner caíram 20,9%. Papeis da Magazine Luiza registraram alta de 6,4%.

As ações da Riachuelo voltaram a custar menos de R$ 10 nesta 4ª feira (13.mai.2020). A última vez foi em 1º de abril, quando o índice estava em 70.966 pontos. O nível é quase 7.000 pontos abaixo do patamar atual.

A Riachuelo vai divulgar os resultados financeiros do 1º trimestre na próxima 5ª feira (21.mai.2020).

 

Varejistas em queda

Pedro Paulo Silveira, economista-chefe da Nova Futura Investimentos, disse que o engajamento político pode ser associado à companhia, mas que a desvalorização dos ativos não é principal razão para a queda da Riachuelo na B3.

De acordo com ele, o modelo de negócios da empresa é muito dependente das vendas presenciais em lojas. Com as medidas de confinamento social, adotadas em meados de maio e, em grande maioria, permanentes até esta 5ª feira (14.mai.2020), o faturamento da companhia ficou comprometido.

Ele também disse que antes da saída de Moro do governo, as ações da Riachuelo já estavam caindo bastante, sinalizando este cenário reverso ao grupo.

“A Riachuelo se enquadrou nas empresas que seriam extremamente prejudicadas com a quarentena. Os impactos da crise econômica são bem severos e jogaram bem pesado contra ela. Vêm batendo forte em cima dessas empresas”, disse Pedro Paulo Silveira. “O mercado não é tão apaixonado por política. É mais atraído por resultados financeiros”.

Renan Silva, economista da BlueMatrix Ativos, disse que o foco de negócio da Riachuelo é na venda presencial, mas que vinha sofrendo com o choque de custo de alugueis dos estabelecimentos físicos. “Começou a remodelar o negócio, até admitindo uma mudança de paradigma forte que a Magazine Luiza encabeçou, que são as vendas online”, afirmou.

A valorização da Magazine Luiza no Ibovespa demostra que a empresa tem vantagem competitiva de ter menores custos operacionais com lojas físicas. Renan Silva disse considerar que esses fatores são mais acessíveis. “Pouco provável que o engajamento político de pessoas tenha contribuído para a queda nas ações da Riachuelo”, declarou.

Sem desconsiderar os possíveis impactos, o analista de investimento Pedro Galdi, da Mirae Asset, disse que o lado político é “muito relativo”.

“Estamos vivendo várias crises ao mesmo tempo: saúde, petróleo, econômica e política. O cenário está adverso”, disse Galdi. “O isolamento começou a partir de meados de março. O varejo eletrônico está vendendo bem. Mas lojas como Renner e Riachuelo, que são de shopping, não têm muito o que fazer. Vão ser afetadas”, completou.

Ele também disse que é preciso acompanhar o mercado e ver resultados mais concreto sobre os ativos.

Matéria publicada em 13/05/2020 pelo Poder360.

 

Sobre a Bluemetrix

Realizamos gestão especializada em carteiras administradas de investimentos. Nosso propósito é entregar rentabilidade com segurança, independência e flexibilidade de acordo com o perfil de cada investidor. Para entrar em contato conosco e conversar com nossos especialistas, clique aqui

Acompanhe também nossos conteúdos no Instagram e no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *